sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

PREVENINDO O CÂNCER DE MAMA.

PREVENINDO O CÂNCER DE MAMA


O câncer de mama ocupa hoje lugar de destaque na literatura médica por apresentar incidência crescente e elevada taxa de mortalidade entre mulheres brasileiras.

Atualmente no Brasil, estima-se a incidência anual de 40.000 casos novos, acarretando aproximadamente 4.000 óbitos por ano.

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande, levando algumas mulheres a perder um tempo precioso. Há um aforismo que diz: "quanto mais precoce o diagnóstico, maior a possibilidade de cura do câncer".



Os principais fatores que contribuem para o diagnóstico tardio são:

• Pobreza de sinais e sintomas do câncer em sua fase inicial, enfatizando-se a ausência de dor local;

• Pouca ênfase que se dá ao auto-exame e à mamografia de rotina;

• Medo da mutilação acarretada pela mastectomia;

• Desconhecimento das reais possibilidades de cura e do tratamento conservador;

• Falta de acesso ou tempo prolongado de espera nas instituições públicas de saúde especializadas no tratamento do câncer;

• Dificuldade de se implementar programas voltados para o diagnóstico precoce.



Fatores de risco:

Inúmeros fatores podem aumentar a chance da mulher desenvolver o câncer de mama, tais como:

• Sexo - o câncer de mama é sobretudo uma afecção do sexo feminino, embora os homens também possam ser acometidos (aproximadamente 1% dos casos);

• Idade - maior incidência acima de 40 anos, sobretudo depois dos 50 anos;

• Mulheres cujas mães, irmãs e/ou tias tenham apresentado câncer de mama, principalmente se a doença manifestou antes da menopausa;

• Primeira gestação após os 30 anos de idade;

• Mulheres que nunca amamentaram;

• Menarca precoce (primeira menstruação) e menopausa tardia (última menstruação);

• Tabagismo;

• Ingestão crônica de bebida alcoólica;

• Obesidade;

• Dieta rica em gorduras de origem animal;

• Sedentarismo;

• Terapia de reposição hormonal por mais de 10 anos.



Sinais e sintomas:

O sinal mais comum do câncer da mama é o aparecimento de um nódulo ou caroço, sobretudo quando não desaparece durante o ciclo menstrual e não muda de local quando apalpado. É bom lembrar que a maioria dos nódulos que aparecem na região mamária são tumores benignos, como por exemplo os cistos e os fibroadenomas, contudo só o médico poderá identificá-los e dar a orientação adequada.

A grande preocupação, portanto, é com os tumores malígnos, como o câncer de

mama, que se desenvolve sem provocar dor, porisso devem ser diagnosticados o mais precocemente possível a fim de possibilitar um tratamento curativo.

Outros sinais que devem ser pesquisados são: edema (inchação), retração da pele (covinha), pele em “casca de laranja”, eritema (vermelhidão), alteração da aréola, ulceração, sangramento ou desvio do mamilo.

Embora o câncer de mama no início não apresente dor, qualquer sensibilidade dolorosa fora do período pré-menstrual deve ser relatada ao médico.



Prevenção e Diagnóstico Precoce:

A melhor maneira de combatermos este câncer é através da prevenção, pois só assim a doença é diagnosticada em sua fase precoce e com melhores chances de cura.

Toda mulher deve procurar o ginecologista uma vez por ano para fazer exame clínico e obter orientação preventiva sobre doenças ginecológicas. A falta de informação leva a um atraso no diagnóstico, impossibilitando muitas vezes o tratamento adequado.

Para a prevenção do câncer de mama, temos:

• Orientação médica preventiva;

• Exame clínico;

• Auto-exame;

• Mamografia (complementada ou não por ultra-sonografia das mamas).



O Auto-exame :

O auto-exame é um método de diagnóstico onde a própria mulher faz, em frente a um espelho, um exame visual de suas mamas e em seguida faz a palpação de ambos os seios.

É portanto uma forma simples de se prevenir de uma doença séria.

Fazendo-o regularmente, a mulher conhece melhor suas mamas, seu volume, a textura do tecido mamário e possíveis alterações que ocorram no período do ciclo menstrual. Assim, tem condições de perceber melhor qualquer alteração que se apresente, e, conseqüentemente, procurar o médico antes que qualquer doença mais grave se desenvolva.

O auto-exame deve ser instruído pelo ginecologista ou por outro profissional da área médica. Este deve ser feito mensalmente, uma semana após a menstruação, pois as mamas estão menos inchadas e doloridas nesta fase do ciclo. As mulheres que não menstruam mais devem escolher um dia do mês para realizar o auto-exame (por exemplo, todo dia 15). O importante não é o dia em que o auto-exame deve ser feito, mas sim que ele seja realizado regularmente a cada mês.

Qualquer alteração verificada pelo auto-exame deverá ser comunicada com brevidade ao ginecologista ou mastologista, que é o médico especializado em doenças da mama.

Na frente do espelho:

Primeiro fique em pé em frente ao espelho e examine atentamente suas mamas. Observe a forma, a cor e a textura da pele.

Em seguida, levante os braços devagar observando atentamente a imagem projetada no espelho para verificar se há mudanças na forma ou no contorno dos seios.

Agora, coloque as mãos na cintura, contraia os músculos do peito de modo a empurrar as mamas para frente, (sentindo o esforço dos músculos peitorais), e observe novamente se há mudanças na forma ou no contorno dos seios;

No chuveiro:

Levante seu braço esquerdo e coloque a mão atrás da cabeça. Com a mão direita ensaboada junte os dedos e vá apalpando o seio esquerdo, comprimindo-o contra o tórax. Com as mãos ensaboadas elas deslizarão suavemente sobre a pele molhada.

Nesta apalpação usar as polpas digitais, fazendo movimentos circulares ao redor do seio, verificando cada parte do mesmo. Não fazer o movimento de “pegar alguma coisa com os dedos”, pois o correto é usar as polpas digitais para pressionar levemente o tecido mamário contra o tórax e com isso “sentir” a presença de caroço ou endurecimento da mama.

Repetir a apalpação com a mama oposta: com o braço direito colocado atrás da cabeça, apalpar o seio direito com a mão esquerda, sempre fazendo movimentos circulares ao redor do seio, pressionando cada parte do mesmo;

Deitada na cama:

Deite-se de costas em uma posição confortável e coloque um travesseiro debaixo de seu ombro direito. Com a mão esquerda examine toda a sua mama direita e depois inverta o processo fazendo o mesmo com a mama oposta, sempre com movimentos circulares ao redor do seio. Por último, aperte delicadamente seus mamilos (bico do seio) e observe se sai algum líquido.

Comunique com brevidade ao seu médico se você notar qualquer anormalidade verificada pelo auto-exame, tais como:

• Mudanças na forma ou coloração das mamas;

• Nódulos ou caroços;

• Pele tipo "casca de laranja";

• Presença de líquido ou secreção que sai dos mamilos.

Movimentos para Pesquisa



Movimento em espiral Do exterior para o interior





Em círculos concêntricos Em bandas verticais



Não Entre em Pânico:

Lembre-se que a maioria dos nódulos encontrados nas mamas são tumores benígnos, como por exemplo os cistos e os fibroadenomas.

Os cistos são nódulos dolorosos que aumentam de volume antes da menstruação e os fibroadenomas são nódulos móveis à apalpação que podem ser facilmente retirados por meio de uma pequena cirurgia, geralmente feita com anestesia local.

Lembramos que o auto-exame da mama é apenas uma das três maneiras recomendadas para identificar o câncer da mama em seus estágios iniciais. É preciso enfatizar a necessidade de também ser feita a consulta médica anual para orientação preventiva e a mamografia.



Mamografia:

Atualmente é o melhor exame para o diagnóstico precoce do câncer de mama. A mamografia é capaz de detectar um nódulo (menor que 1cm) antes mesmo que ele se torne palpável. Quando o diagnóstico é feito dessa forma, ainda no início da formação do tumor, as chances de cura se tornam muito maiores, descartando a necessidade de retirada da mama para o tratamento. Apesar de ser um método eficaz, a mamografia não descarta o auto-exame e o exame médico feito pelo ginecologista ou mastologista.

A mamografia deve ser feita somente em mulheres acima dos 35 anos, pois as mamas de pacientes mais jovens possuem pouca gordura e isso faz com que pareçam muito densas, dificultando a visualização de lesões.

A mamografia é um exame radiológico feito mediante compressão das mamas, requisito essencial para o sucesso do exame. Portanto, deve-se evitar a mamografia no período anterior ao da menstruação, quando as mamas ficam um pouco doloridas, o que causará um certo desconforto durante a execução do exame. Recomenda-se que ele seja feito aproximadamente uma semana após o período menstrual.

Os resultados da mamografia não atestam se o tumor é maligno, apenas sugerem o diagnóstico. Somente a biópsia com exame anátomo-patológico pode dar o diagnóstico de certeza.

A título preventivo, a primeira mamografia deve ser feita aos 35 anos de idade, mesmo que não exista nenhum sintoma. É importante guardar o resultado de uma mamografia feita nesta idade para que possa servir de base de comparação com as mamografias que serão feitas nos anos subseqüentes;

Mulheres com 40 anos, sem sintomas, também devem fazer um exame mamográfico;

Mulheres entre 40 e 49 anos devem fazer uma mamografia a cada dois anos. Se houver casos de câncer na família a mamografia deverá ser feita anualmente nesta faixa etária;

E, aquelas com 50 anos ou mais, uma mamografia anualmente;

Qualquer paciente que apresente nódulo na mama deve procurar o seu médico e fazer mamografia bilateral o mais breve possível.

Um comentário:

Renatinha disse...

parabens pelo seu trabalho...

Diagnóstico do câncer

O Diagnóstico do câncer
O câncer é uma patologia com localizações e aspectos clínico-patológicos múltiplos e não possui sintomas ou sinais patognomônicos, podendo ser detectado em vários estágios de evolução histopatológica e clínica. Destes fatos resulta, em grande parte, a dificuldade do seu diagnóstico e a afirmativa de que a suspeita de câncer pode surgir diante dos sintomas os mais variados possíveis. O paciente, ao procurar um médico, não sabe ainda a natureza da sua doença e, assim, não procura diretamente um especialista. Setenta por cento dos diagnósticos de câncer são feitos por médicos não-cancerologistas, o que evidencia a importância destes profissionais no controle da doença.O médico chega a uma suposição diagnóstica através de várias etapas, durante as quais deve proceder a uma análise cuidadosa, com base principalmente em seu conhecimento do caso e da patologia, olhando sempre o paciente como um todo, não se restringindo ao sistema-alvo da sua especialidade. Neste processo, toma diversas decisões, cujo acerto ou erro repercute sobre a sobrevida do paciente e/ou sua qualidade de vida. No Brasil, muito ainda tem de ser feito para que os médicos assumam a responsabilidade que lhes cabe quanto à prevenção e ao controle do câncer. A adequação das condutas diagnósticas e terapêuticas, e a agilidade no encaminhamento do caso constituem o âmago do exercício efetivo de tal responsabilidade.Fonte de pesquisa: INCA - Instituto Nacional de Câncer

CÂNCER DE PRÓSTATA

CÂNCER DE PRÓSTATA

O que é?
O câncer de próstata (CP) é o tumor mais comum em homens com mais de 50 anos de idade. Com os progressos da Medicina e de outras áreas que interferem com a saúde, espera-se para as próximas décadas uma população cada vez maior de homens atingindo faixas etárias bem superiores àquela. Conclui-se, portanto, que mais casos de CP serão diagnosticados. Atualmente, existem no país diversas campanhas de detecção precoce dessa neoplasia (câncer).
O diagnóstico precoce é deveras importante, visto ser esse um câncer curável nos estágios iniciais.

Leia também

Câncer de próstata - prevenção Câncer de próstata - detecção precoce Sexo e câncer Hiperplasia benigna da próstata Prostatite O que é câncer

Como se desenvolve?

A próstata é uma glândula localizada próximo à bexiga cercando a uretra na sua porção inicial. As secreções prostáticas são o maior componente do líquido seminal (ou esperma).

A origem do CP é desconhecida, entretanto, presume-se que alguns fatores possam influenciar o seu desenvolvimento.

Entre eles, o fator genético, visto a incidência desta neoplasia ser maior em familiares portadores da doença. A presença de CP em parentes do primeiro grau aumenta a probabilidade de diagnóstico desse câncer em 18%.
O fator hormonal é bastante importante, pois essa neoplasia regride de maneira significativa com a supressão dos hormônios masculinos (por exemplo, castração). Pesquisas feitas em ratos tratados cronicamente com testosterona mostraram o desenvolvimento do câncer de próstata nesses animais. A testosterona não é indutora de câncer, entretanto, em homens já com a neoplasia ou com predisposição, a testosterona estimularia o seu crescimento. Por outro lado, o CP não ocorre em eunucos.

Ultimamente, tem se dado muita atenção ao fator dieta. Dietas ricas em gordura predispõem ao câncer e as ricas em fibras e tomate diminuem o seu aparecimento. Baseados em levantamentos epidemiológicos em áreas geográficas de maior incidência de CP notou-se que dietas ricas em gordura aumentam os riscos de seu aparecimento. Talvez por interferência no metabolismo dos hormônios sexuais, várias outras substâncias estão sob investigação como as vitaminas, o cádmio, o zinco.
Doenças venéreas não tem relação com o CP embora o herpesvírus tipo II e o citomegalovírus induzam transformações carcinogenéticas em células embrionárias de hamster (pequeno animal de experimentação).
O fator ambiental é alvo, também, de investigação. Populações de baixa incidência de CP, quando migram para áreas de alta incidência, apresentam um aumento na ocorrência de casos. Fumaça de automóveis, cigarro, fertilizantes e outros produtos químicos estão sob suspeita.

O que se sente?

Nas fases iniciais nada se sente. O tumor somente é detectado em exames clínicos e laboratoriais de rotina que são:
o toque retal e
a dosagem do antígeno prostático específico ou PSA.
Nos casos de CP sintomático, o paciente se queixa de dificuldade para urinar, jato urinário fraco, sensação de não esvaziar bem a bexiga, ou seja, sintomas de obstrução urinária. Sangramento na urina pode ser uma queixa, embora mais rara.
O paciente pode manifestar dores ósseas como sinal de uma doença mais avançada (metástases).
Anemia, perda de peso, adenopatias (ínguas) no pescoço e na região inguinal podem também ser a primeira manifestação da doença.


Como se faz o diagnóstico?

Todo o homem a partir dos 45 anos deve realizar o toque retal e dosagem do PSA, principalmente aqueles com história familiar de CP (e de câncer de mama), independentemente de sintomas. Em caso de toque anormal e ou PSA elevado, o paciente deverá ser submetido a uma ecografia transretal com biópsia prostática. Os fragmentos obtidos serão levados ao exame anátomo-patológico. Uma vez confirmado o diagnóstico, o tumor deverá ser estagiado. Isto significa que exames deverão ser solicitados a fim de que se possa saber se o tumor está confinado à próstata ou se já invadiu órgãos adjacentes (bexiga, vesículas seminais, reto) ou se já enviou metástases. A cintilografia óssea é o exame mais útil nessa fase e nos dá informações quanto à metástases no esqueleto.

Outros exames eventualmente pedidos são: fosfatase alcalina, tomografia computadorizada de abdômen, radiografias de tórax, radiografias do esqueleto.

Como se trata?

O CP pode estar confinado à próstata na forma de um pequeno nódulo, como também pode estar restrito a ela, porém envolvendo toda a glândula. O CP, além de localizado, pode estar comprometendo os limites desse órgão e invadir outros órgãos adjacentes, como as vesículas seminais ou a bexiga. Linfonodos obturadores e ilíacos são, geralmente, o primeiro estágio das metástases para depois ocorrerem metástases ósseas.
Para descrever a extensão do tumor (estadiamento) existem várias classificações (classificação de Whitmore, TNM). Além do fato extensão tumoral, é importante saber que o CP apresenta uma diversificação de células, mais ou menos malignas, que também sofrem um processo de classificação (Classificação de Gleason).

Baseado no estadiamento do tumor e de sua classificação de Gleason é que se escolhe o tipo de tratamento.
Para os tumores localizados dentro da glândula, a prostatectomia radical e a radioterapia são as primeiras opções e consideradas curativas.
Os tumores que avançam para fora da próstata, mas sem evidência de metástases, são geralmente tratados com radioterapia.
Os tumores metastáticos são paliativamente controlados com hormônios femininos, orquiectomia, drogas anti-androgênicas ou análogos do LHRH.
O tratamento do CP é muito controverso pois são muitas as variáveis:
idade do paciente
níveis do PSA
estágio do tumor
tipo histológico
Além disso, deve-se discutir com o paciente as complicações do tratamento.
Tanto a prostatectomia radical quanto a radioterapia podem deixar o paciente impotente bem como incontinente urinário.
A hormonioterapia diminui a libido e causa impotência sexual.
Deve-se considerar também a idade do paciente na época do diagnóstico e sua expectativa de vida sem a doença.
Pacientes muito idosos e com baixa expectativa de vida certamente se beneficiarão com tratamentos menos agressivos.
Problemas psicológicos e culturais fazem da orquiectomia (retirada dos testículos) um tratamento indesejado. Outras formas de terapia não têm bons resultados ou estão sob investigação, como é o caso da quimioterapia, terapia genética e fatores do crescimento.

Qual é o prognóstico?
O prognóstico depende do estádio (extensão) e grau histológico (Gleason), principalmente. Se o CP é localizado e se o paciente realizar uma prostatectomia radical, a sobrevida em 10 anos pode atingir 90%, sendo equivalente à da população normal. O índice de recorrência local após 5 anos é de 10% contra 40% da radioterapia. A radioterapia utilizada no CP localizado ou localmente avançado (fora da próstata mas sem metástases) apresenta biópsias positivas de 60 a 30% dos casos quando realizadas seis meses e dois anos respectivamente após o tratamento.
Nos casos metastáticos, o tratamento é paliativo e o prognóstico bem mais reservado.
Perguntas que você pode fazer ao seu médico
Existe maneira de fazer o diagnóstico precoce do câncer de próstata?
Existe cura para o câncer de próstata?

Como se trata este câncer?


Devo operar ou não?




PROTEJA-SE

PROTEJA-SE
do Câncer de Pele

www.inca.gov.br

Prevenção do

Câncer de Pele
sol é importante para a saúde, mas é preciso ter cuidado
com o excesso. Quando os raios ultravioleta (tipo B)
atingem as camadas mais profundas da pele, podem alterar suas células e provocar envelhecimento precoce, lesões nos olhos e até câncer de pele.
Alguns cuidados especiais são necessários, principalmente para as crianças e para aqueles que trabalham ao ar livre:
Evite exposição prolongada ao sol entre 10h e 16h;
Não deixe de usar:
Chapéus de abas largas;

Camisas de manga longa;

Calça comprida.

Se puder, use óculos escuros e protetores solar;
Usar o filtro solar apenas uma vez durante
Todo o dia não protege por longos períodos. É necessário reaplicá-lo a cada duas horas, durante
A exposição solar. Mesmo filtros solares
“à prova d’água” devem ser reaplicados.
Procure lugares com sombra, sempre que possível;
Evite trabalhar nas horas mais quentes do dia.
O câncer de pele .

FONTE:
Instituto Nacional de Câncer
Ministério
da Saúde



8 DE ABRIL DIA MUNDIAL DE COMBATE AO CÂNCER

EM SÃO JOÃO DEL REI A ASAPAC PROMOVERA UM DIA DE PREVENÇÂO CONTRA O CÂNCER DE PRÓSTATA,COM DISTRIBUIÇÃO GRATUITA PARA OS HOMENS ACIMA DE 45 ANOS DE PSA ,MAS PALESTRA SOBRE PREVENÇÃO ,DIAGNÓSTICO,ESCLARECIMENTOS À POPULAÇÃO SOBRE A ATUAÇÃO DA ASAPAC ,BRINCADEIRAS PARA AS CRIANÇAS E MUITO MAIS. NÃO DEIXE DE VIR,SERÁ REALIZADO NA AVENIDA PRESIDENTE TANCREDO NEVES ,CENTRO

A Asapac Sete Lagoas promoveu um café da manhã para a entrega de doações no dia 02/08/2011 Nosso endereço do nucleo de Sete Lagoas ruaA Asapac Sete Lagoas promoveu um café da manhã para a entrega de doações no dia 02/08/2011 novo endereço: Rua DR. CHASSIN,30 CENTRO.

GANHADOR DA RIFA DE 2010

GANHADOR DA RIFA DE 2010
EM 2011 SERÁ O NOVO UNO

MENSAGEM

QUERO FAZER DA MINHA CABEÇA E DO MEU CORAÇÃO UM NINHO DE AMOR À DEUS , E AOS MEUS SEMELHANTES.

EU FIZ DA MINHA CABEÇA E DO MEU CORAÇÃO UM NINHO DE AMOR À DEUS E AOS MEUS SEMELHANTES.._________________________________________________

QUEM DE DEUS SOUBER DOAR , DE DEUS SERÁ DIGNO DE TUDO RECEBER.

MARIÚ CORTANDO A FAIXA

MARIÚ CORTANDO A FAIXA
INAUGURADO EM PATOS DE MINAS MAIS UM ABRIGO DA ASAPAC

MARIÚ ENTREGA O PREMIO DE 2009

MARIÚ ENTREGA O PREMIO DE 2009
COMPROMISSO CUMPRIDO